Após nova denúncia, defesa de Ricardo emite nota e acusa MP de agir de forma abusiva

A defesa do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) emitiu nota na noite de ontem, sábado (16) para repudiar a nova denúncia do Ministério Público contra o socialista. Na nota, a defesa acusa o órgão de agir de forma abusiva e contrária à lei, apenas na busca de perseguir politicamente seu cliente.
Ricardo é apontado em investigação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) como “mentor intelectual” do episódio de entrega de propina usando caixas de vinho, revelado pela Operação Calvário. O caso trata do recebimento de valores próximos de R$ 900 mil, em 2018, a título de propinas pagas pela Cruz Vermelha Brasileira filial Rio Grande do Sul. O episódio teria ocorrido em agosto daquele ano, no Rio de Janeiro.
CONFIRA
NOTA PÚBLICA
O Ministério Público da Paraíba, mais uma vez, age de forma abusiva e contrária à lei na incessante busca de perseguir politicamente Ricardo Coutinho. Na nova denúncia oferecida contra o ex-Governador, o MP se aproveita de delações premiadas de pessoas que estavam presas – e que só foram soltas após fazerem acordo – para imputar com base em ilações fantasiosas, sem qualquer prova, uma co-autoria intelectual a Ricardo Coutinho relacionada a fatos dos quais ele nunca participou.
Os valores envolvidos nessa nova denúncia seriam, nas palavras dos delatores, direcionados à campanha eleitoral de 2018, na qual Ricardo Coutinho não foi sequer candidato. Por esses motivos, a defesa do ex-Governador da Paraíba repudia com veemência o uso do Direito Penal como instrumento de perseguição política, que direciona suas forças apenas para denegrir e imagem de seus alvos e não para realmente apurar os fatos como eles ocorreram.
João Pessoa, 16 de maio de 2020.
RAFAEL DE ALENCAR ARARIPE CARNEIRO
EDUARDO DE ARAÚJO CAVALCANTI
PB Agora
Comentários
Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: